domingo, 13 de novembro de 2016

Fragmento de uma Teoria que fala a respeito da existência de Vida Inteligente em outros Planetas:



Há muito tempo, a  temperatura  do planeta era agradável,  o  ar era puro e a água, verdadeiramente  insípida, incolor e inodora.
As árvores, as flores e as plantas cresciam e se multiplicavam sobre a face da terra, pois ainda não eram arrancadas do solo, ao sabor das circunstancias, por conta do seu aroma, da  sua beleza,  ou, durabilidade da sua matéria prima.

Os animais não  eram enjaulados,  abatidos ou expostos,  por conta da beleza da sua pele, do seu couro,  da sua plumagem , do som do seu canto, da textura e do sabor da sua carne e muito menos por conta do possível valor da sua estrutura óssea.
Durante algum espaço de tempo, o ser humano e o seu habitat natural vivia em perfeita  harmonia e  se respeitava mutuamente, e assim mantinham-se em perfeito equilíbrio.

Aconteceu que, alguns seres humanos, dotados de um grau de  inteligência relativamente  superior a dos demais (e até mesmo, de nós, seres humanos atuais), após anos de filosofia, análises, pesquisas e experimentos, descobriram uma maneira (até hoje desconhecida) de alterar as propriedades  dos elementos da natureza, sobretudo: o domínio do  fogo, da gravidade  e a compressão da água e do ar.
À partir daí, iniciaram um processo de fusão e combustão física, química, biológica e gravitacional desses elementos, criando tecnologia, instrumentos e materiais com os quais desenvolveram  máquinas, utensílios  e ferramentas jamais vistas,  até os dias de hoje.

Com essa tecnologia,  semelhante, porém infinitamente mais avançada do que  a tecnologia  que conhecemos atualmente, estes mesmos seres humanos, motivados pela força  do  saber,  construíram  máquinas, que atualmente, chamamos de aeronaves e passaram a sobrevoar e desbravar outros locais desse habitat.
Seu Império,  teve início em um  lugar atualmente conhecido como Egito. 
Lá, eles construíram, com o apoio dessa tecnologia, construcoes arquitetônicas que hoje, conhecemos como: Pirâmides.
Depois, seguiram, rumo a outros lugares e, fazendo uso dessa mesma tecnologia, construíram outras edificações. Mais precisamente em: Cidade do Cairo, Egito, Machu Picchu, no Peru, Puma Punku, Bolívia, Ilha de Pácoa (Rapa Nui), Polinésia, Stonehenge, Grã Bretanha, Isla del Caño, Costa Rica, Baalbecj, Líbano.

Os povos daquelas regiões conheciam, amavam, respeitavam e veneravam esses seres como se eles fossem verdadeiros deuses, pois além de possuírem faculdades mentais superiores as deles, aqueles seres eram extremamente dóceis, atenciosos, bondosos,  cuidavam deles e também ensinavam a eles, novas técnicas, em especial: técnicas agrícolas.
Estes seres não possuem,  poderes especiais, nem nada parecido

Não mesmo!  

São seres humanos: iguais a eu e você.
Cultivaram a paz e zelaram pelo  equilíbrio e  harmonia entre os povos e o seu habitat natural.
Diferente de nós, "seres humanos naturais", eles não cobiçam nenhuma espécie de riqueza material.
Mas, reconhecem e valorizam qualquer traço de riqueza imaterial.

Aquelas, que não podemos enxergar com esse nosso olhar tão desfavorecido. Aquelas, que carregamos dentro de nós, em forma de valores que são construídos e constituídos a nós, no decorrer do tempo,  com base nos bons exemplos e costumes que  presenciamos  e vivenciamos. 
Ou seja: esses seres desenvolveram  o dom da percepção do caráter genuíno. Uma espécie de: leitura mental e comportamental.
Foram capazes de compreender o nosso mais íntimo desejo, apenas observando uma forma singular que possuímos, ao apresentar em Nosso olhar quando estamos frente a frente com algo relativamente valioso.
Como não havia outros seres  que exerciam  a mesma compatibilidade e capacidade mental e intelectual,  eles se comunicavam apenas entre si. Não eram muitos.

Com o passar do tempo, esses seres de intelecto superior, perceberam que o nosso caráter estava, pouco a pouco, sendo alterado para uma espécie de  comportamento arredio, insubordinado, poluente e surpreendentemente: extremamente agressivo,  ganancioso e egoísta.

Alguns, cegamente iludidos pela ganância,  utilizaram parte da ciência que aprenderam com eles, produziram armas e se voltaram contra os seus mentores, iniciando assim, um motim e inevitavelmente:  a primeira "guerra" que houve entre seres da mesma espécie em nosso planeta.
Os animais já eram abatidos com o intuito de produzir roupas para vestir e aquecer, carne para se alimentar,  bem como a matéria prima das árvores já estava sendo utilizada para construir grosseiras,  patéticas e rústicas  habitações.
Em contrapartida, o simples fato de os seres com o intelecto  superior serem extremamente pacíficos, fez com que, antes de iniciarem a guerra e consequentemente,  o  derramamento desnecessário de sangue dos habitantes deste planeta, esses mesmos seres, iniciaram um projeto mirabolante de imigração.

Mas, não uma imigração para um lugar qualquer.
Não. Uma migração inter estelar. Habitariam outros planetas.
Não levou muito tempo, pois eles já realizavam viagens interestelares, com suas espaçonaves, que já naquela época, possuíam poder de se moverem mais rápido que a velocidade da luz.
Apesar de terem alguns membros assassinados de maneira cruel e covarde,  eles não se vingaram e  evitaram lutar e derramar o sangue da sua própria espécie, se refugiando em locais em nosso planeta,  onde, devido ao posicionamento geográfico e a hostilidade natural, apenas eles, com o domínio da sua tecnologia, poderiam habitar.

E assim eles fizeram:
Abandonaram as Pirâmides do Egito, e em seu lugar, tempos  depois, uma família dominou  tudo o que eles construíram com as suas máquinas e ferramentas, fazendo uso de uma tecnologia infinitamente avançada, para aquela época.
Após esse acontecimento, surge o reinado de  “Rá, o deus sol, o deus vivo sobre a terra”, o próprio deus, mais conhecido como: O Faraó.
O mesmo aconteceu com as outras construções em outros lugares do planeta.
Egípcios, Astekas, Maias e Incas: cada civilização com o seu respectivo líder e algoz.
Enquanto isso, os seres humanos dotados de inteligência superior, construíram  modelos  mais modernos e evoluídos de aeronaves: as espaçonaves. E com elas, viajaram rapidamente pelo espaço, atingindo velocidades absurdamente maiores que a velocidade da luz, até encontrarem outros planetas para estudarem e analisarem, até poderem  habitá-lo definitivamente.

Feito isso, imigraram-se para lá, desenvolveram novas técnicas de sobrevivência, perfeitamente adaptadas ao seu novo habitat, construíram novas armas de defesa, armas essas,  que consistem simplesmente em emitir ondas eletromagnéticas que em contato com o material com que são construídas as espaçonaves dos atuais e curiosos  “seres intelectuais” do planeta terra, emitem ondas de repulsão, tirando-os de forma  imperceptível, da rota de órbita deste novo lar. 
E assim, até hoje, conseguem se  manter camuflados e invisíveis a todo e qualquer olhar ganancioso. 

Por: Márcio Bender.

Créditos da Imagem: Divulgação.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Matilde, Eu Sou de Libra



O som das correntes da minha porta rasgam o silêncio da madrugada enquanto eu, embriagado, adentro em meu lar.
Acredito que isso deve incomodar alguns vizinhos. Mas juro solenemente que, não faço isso por mal.
A casa está sempre está organizada, e é sempre bom estar por aqui. Temos que ter cuidado ao abrir a geladeira, pois a porta quebrou e agora, se não remove-la completamente, ela cai sobre quem a abrir. Tive que desativar o chuveiro porque o registro não funciona mais. Então, enquanto eu não resolver esse "contratempo", quando for tomar banho, utilize a torneira do lavatório para encher um balde e após isso, lance a água do balde sobre si. Pra falar a verdade, nem sinto tanta falta assim, de um chuveiro nesse banheiro...

Quem vai reclamar desse chuveiro desativado será você! Mas, fazer o que, né... Há tempos Você me conhece e sabe bem como eu sou e como é esse meu estilo de vida: Diferente, Livre, Único. A tv é em hd, mas ainda não contratei uma operadora de tv a cabo. A mesma encontra-se, sem antena. Mesmo assim, não sei por que, ela sintoniza o Canal da Rede Bandeirantes. Ainda bem, porque ao menos dá para assistir "Os Simpsons"... O pessoal do telefone fixo irá instala-lo, no próximo dia 21 e se acaso, você quiser ligar para o meu celular para falar comigo, só vai dar se eu me encontrar fora de casa pois dentro dela, não há um lugar sequer onde o telefone consiga registrar área de serviço. Difícil coisa é me ver caminhando pela rua, pois depois que você se foi, perdi toda vontade que eu tinha de sair. Seja para onde for.
Há apenas uma lâmpada na casa, mesmo assim consigo iluminar todos os cômodos. Nesse momento, você deve estar se perguntando: como ele faz isso? Muito simples: Eu apago a lâmpada usando o interruptor, aguardo um pouco até ela resfriar, depois, subo numa cadeira e a desenrosco do bocal, depois, desço da cadeira com ela em uma das mãos, levo a cadeira e ela para o cômodo onde desejo iluminar, subo na cadeira, a enrosco em outro bocal, desço da cadeira e aciono o interruptor, então, ela acende e se aquece novamente. E assim, sigo esse meu ritual de continuidades. E assim tem sido a minha vida...

Às sextas, recebo a Nossa Amiga, a Diana, aquela Streapper Paulistana. Lembra dela, né? Aquela, de Guarulhos, de família Circense. Como ela vai ficar uma longa temporada no Rio de Janeiro, tomei a liberdade de convidá-la e há mais ou menos um mês, Ela vem para cá todo fim de semana. Adoro tocar violão para ela, enquanto ela canta e toca a sua gaita. A onda de positividade é tão intensa que nem percebemos que estamos nus. Ainda recebo convites para Sair. Querem que volte a frequentar aqueles... Como você chamava mesmo? Ah, sim, lembrei: "ambientes requintados".
Querem que eu fale, escreva, componha, cante, toque o meu violão, beba e coma junto, com eles... Mas eu não vou... Não, eu não vou mais...

Desde que eu me vi sem Você, eu não sinto mais vontade, nem inspiração para nada disso. Prefiro ficar aqui, no meu lar. Incomodando aqueles vizinhos mais frustrados e rancorosos com o barulho das correntes da minha porta, toda vez que chego em casa de madrugada com os nossos amigos embriagados, tendo que ter cuidado ao abrir uma geladeira que tem que ter a porta totalmente removida da sua estrutura absoluta, subindo e descendo de uma cadeira, levando a única lâmpada que possuo em casa de um lugar para o outro, toda vez que anoitece e preciso enxergar alguma coisa dentro de casa, aguardando o pessoal vir instalar o telefone fixo e a tv a cabo, tomando banho de balde, comendo o meu bom e velho "bife com fritas" e bebendo suco de cajú estupidamente gelado, no almoço...

E certas noites, quando a saudade de você bate mais forte: bebo um bom vinho rascante, fumo um charuto, filosofo a respeito da beleza desse Amor, da Vida e da Minha Paz de Espírito. E enquanto o efeito do álcool domina os meus neurônios, procuro encontrar a melhor maneira de escovar os dentes das bocas do meu velho fogão.

Por: Márcio  (Deus Meumque Jus)

Créditos da Imagem:

Modelo: Matilde
Imagem: Acervo do Márcio. 

Você é o meu Sol (letra de música)

Sempre que você sorri Eu fico muito mais feliz E o meu dia passa A ter mais graça. Eu ia aonde o vento me levasse Igual a uma fol...