quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Meio adormecido


Aquele que interrompe o simpósio da escória terrena com lágrima monumental.
Não impede que o animal indefeso encontre refúgio às margens do rio.
Da divisão do oito, transforma-me em dez.
Quando nos reunimos, somos um, ou quatro?
Guia-me como o ar que se movimenta suavemente.
Pairando no alto, levando consigo, o amanhã.
Olho para o céu.

Te procuro para me confessar.


Por: Márcio Bender

Créditos da imagem: divulgação.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Chuva ( letra de música )


A chuva foi embora
Me deixou sem lugar
O que é que eu faço agora
Deixo estar como está
Parei por um momento
Um arco íris surgiu
A propósito eu me lembro
Do seu jeito infantil
A chuva cai lá fora
E aqui dentro de mim
O que eu sinto agora
Parece não ter fim

Por: Márcio Bender e Sérgio Bittencourt

Créditos da imagem: divulgação.

sábado, 3 de julho de 2010

Ensina-me a viver...


Amigo...
Sua mãe, assim como você, faz parte da história da minha vida.
Uma mulher que me ensinou o que eu tenho de melhor:
Respeito ao próximo, independentemente, de raça, credo, etnia ou posição social.
Tenha certeza de que é uma grande perda para todos nós.
Sei que, onde ela está, é um lugar de paz, e descanço.
Sei, também, que ela está ao lado do nosso bom e eterno Deus.
Amigo, não sei ao certo o que dizer, neste momento.
Mas, quero que saiba, que nesse exato momento em que escrevo esta postagem, meus olhos estão marejados...
Pois, assim como você, eu também perdi uma parte de mim.
Posso compreender perfeitamente a sua dor...
Sua mãe teve uma passagem abençoada nessa terra.
Tenha certeza que, muitos de nós, tivemos lindas histórias ao lado dela...
No meu caso, lembro-me desde as aulas de português, ( perdoe-me a franqueza. Mas, algumas, confesso-te que, matei ) dos bolos deliciosos que ela levava para a escola e vendia para nós, até os salsichões que ela deixava para você preparar quando chegasse da escola, eu comia junto contigo, e depois íamos para o seu Díba jogar flipperama. ( lógico, que, eu sempre vencia os nossos combates, né... ).
Nesse momento, até mesmo o seu silêncio, seria compreensível para mim.
A palavra de nosso bom e eterno Deus, diz que, temos que nos alegrar com os nossos irmão, nos momentos de felicidade.
E chorar, nos momentos de dor.
Portanto:
Choro contigo, a perda da sua mãezinha.

Choro contigo, a perda de uma amiga. 
Graças aos esforços dela, hoje, faço tão bem o que estou fazendo nesse exato momento: escrever.
Amigo, sempre que precisar, estarei por aqui.
Seja forte, assim como eu sei muito bem que você é.
Até porquê, sei muito bem também, quem foi que te ensinou a ser forte assim:

Minha eterna amiga e professora de português, que um dia eu tive enorme prazer em conhecer e mais ainda: ser seu aluno: Tânia Motta.

Por: Márcio Bender

Na imagem: minha eterna amiga e professora de Língua Portuguesa: Tânia Motta.


Créditos da imagem: Alan Motta.





sábado, 16 de janeiro de 2010

Paulo, irmão dos Élderes ( letra de música )


Não faça isso Dr. Saulo.
Pois, duro és, para ti...
Recalcitrar contra os aguilhões.
Conheço homens que tornaram-se reis, e lideraram muitos outros homens...
De outras dispensações.
Saulo, não há como fugir de mim...
Estarei contigo, mesmo assim.
Que tenho eu contigo, Saulo?
Por quê me persegues tanto assim?
Vim te perguntar.
Eu sou o mesmo, Eu quem te criei.
Com minhas mãos te desenhei, e agora...
Vou te transformar.
Tu fostes Saulo, agora, és Paulo.
E outra filosofia vais viver...
E também, ensinar.
Paulo, deve confiar em mim...
Mostrarei sinais, pelo universo...
Eu sou o princípio e o fim...
Ensine e aguarde o meu regresso.

Por: Márcio Bender

Créditos da imagem: divulgação.

Você é o meu Sol (letra de música)

Sempre que você sorri Eu fico muito mais feliz E o meu dia passa A ter mais graça. Eu ia aonde o vento me levasse Igual a uma fol...